Dia-a-Dia e Poesia
corner





Página Inicial

Arquivo


O dia, sentimentos, impressões, e tudo o que me cerca tem forma de poesias. Viver é uma poesia, e a poesia é a minha vida...

AMIGOS:

Priscila

MAIS EU...:

Minhas músicas

MEU SITE

Domingo, Novembro 23, 2008:


Simplicidade e Sinceridade

O olhar de uma criança ensina
a ter esperança e a entender
que para ser feliz basta ser simples
e ser mais sincero consigo mesmo

Juntar as mãos em trabalho fraterno,
fazer do bem compromisso eterno.
Vencer em nós, a fraqueza,
e deixar brotar a beleza
do amor.

Se não há paz, que venha da caridade então.
Se há só ofensa, que seja vencida pelo perdão.
Se há só o mal, que o bem reine sobre tal escuridão.
Se há só dor, que o consolo venha da fé e da razão.

(04-06-05)



Terça-feira, Outubro 21, 2008:


Descompasso

O relógio da torre vive falhando,
gira os seus ponteiros, lento
Confunde a todos.

É bem o centro das atenções,
possui de todos, intenções
Mas seu concerto não depende de ninguém

Ora! Que as engrenagens se concertem.
Sozinhas?!
Existe um relojoeiro maior.
Ele sabe como...

Tic, tac, tic, tic
O descompasso gera um espaço

21/10/08



Domingo, Agosto 31, 2008:


Luz Interior

Lute!
Não brigue.
Cerre os punhos!
Mas não para socar alguém.
Sinta a energia que há dentro de ti
Dependes dela para sobreviver.

É a energia que te move
A energia que te defende

Tens o guia,
um livro que conta a história do exemplo
Unindo energia e exemplo,
encontrarás boas conclusões
Entenderás pouco,
e não terás respostas.
Mas uma conclusão surgirá em teu coração:
Só o bem te iluminará.

(31/08/08)



Terça-feira, Agosto 05, 2008:


No Olho do Furacão

Tempestade em meu coração
Ventania nas idéias

É tanta água que vem do céu
que não se sabe pra onde escoará
Acúmulo certo
Pressão inevitável

Barragens não aguentarão
Ondas gigantes?
Ventos turbulentos?
inundação?

Vem da conciência,
ou de fora?

(29/11/07)



Quarta-feira, Julho 09, 2008:


Sou Eu(,) Mesmo(?)

Quem irá entender o que se passa dentro desta caxola?
Quem irá entender o que se passa dentro deste caixote pulsátil?
Quem irá me entender?
O meu coração é como uma árvore cheia de frutos...
Como os coquinhos rolam ladeira abaixo
e fazem nascer outros coqueiros,
o meu coração planta cocos em ladeiras alheias

São raízes profundas,
tenho certeza.
Faço questão de iluminar, como o sol
Faço questão de molhar, como a chuva
E faço questão de fazer brotar estes coqueiros

Quando mais arraigados ao chão
maior se dá a minha satisfação
Quem irá me entender?
Nem eu?
Quem irá entender o que se passa dentro deste caixote pulsátil?
Sou mesmo controlado pelo coração?
Quem irá entender o que se passa dentro desta caxola?
Sou mesmo controlado pela razão?
Não sou o mesmo...
Não sou, mesmo.
Ou sou?

14/06/08



Domingo, Junho 08, 2008:


Cecília

Dona de um olhar sereno
Senhora das letras
que escrevem a vida com amor

Seu lápis dança no papel
derramando o mel
das flores que caem lá do céu

Cecília, Cecília
Poetiza encantada
Moça, menina
Que traz poesias de um outro lugar
Onde reina a paz

Escreve a vida em poesia
Revelando o tesouro
em versos que nunca se perderão

Dia e noite, sempre festiva
carregando consigo
e doando a todos sua alegria

Cecília, Cecília
Poetiza encantada
Moça, menina
Que traz poesias de um outro lugar
Onde reina a paz

Versos e contos em caridade,
eu te dou neste leilão de luz (coração)

Eu te compro um jardim com flores
Borboletas de muitas cores
Eu te dou um raio de sol
Eu te dou a casa do meu coração

20/03/08

Parceria com Jhosianne Cardoso



Segunda-feira, Maio 12, 2008:


Sapatos e Vacas

Querida amiga,
quanta saudade!
Estou aqui naqueles momentos
de reflexão sobre o presente
sobre o hoje

Uso sapatos, e isso me incomoda
Uso o coração, e isso também me incomoda
Uso a razão, e isso também me incomoda
Que chato sou,
que chato sou
e isso também me incomoda...

Fique com deus! Irei-me agora, seguindo os passos do sapato
o sapato da sina
Vou de: sapato até sábado
Vou: vaca sem pastos, caçador sem patos, poeta de sapatos.
Vou...

(13/03/2008)



Pirata

Para quem acha que não tem o que perder
Tesouro é o que se não tem
Até um dia perder aquilo que considerará de valor

Se perder por algo que não tem valor
buscando algo que não tem valor
Se perder.

13/12/07



Quarta-feira, Abril 09, 2008:


Quando?

Pra quando o sol raiar de novo
Pra quando o pássaro vir do ovo
Pra quando o fim trazer mais começo?

Um alô pro mendigo que não conheço
Vontade de formar em outro curso
Ou continuaremos a hibernar como um urso?

Dormindo silenciosos em nossa mente
Barulhentos roncando pros outros somente
Pra quando nos mudaremos?

Pra onde mudaremos?
Um lugar onde o sol raia de novo
Um lugar onde os pássaros vêm do ovo

(25/03/08)



Quarta-feira, Março 19, 2008:


Na Linha do Equador, a Essa Altura do Campeonato

Água, água, água
Entre os trópicos a chuva é intensa
É água que não acaba mais!

E aqui dentro,
certos sentimentos são acumulativos
Alta pressão,
baixo volume
E numa altitude sem atitude

(07-01-08)



Sábado, Fevereiro 02, 2008:


A Passos Largos, Tropeço

Então eu olho para o futuro
não vejo nada mais que um passado obscuro
Não consigo me livrar deste peso
que afunda meu barco aos poucos
e nem sei qual de meus atos desencadeia
a minha viagem, talvez, derradeira.

Sigo uma lógica de loucos,
previsões eu murmuro
Como posso entender tanto o futuro
se nem metade do que pensava hoje acho?

Sei que dessa vida não se sai ileso
Saímos aos farrapos,
derrotados pela morte
e como seres frágeis
Mas despertamos no final
como insetos alados saem dos casulos.

Mas a intenção do meu passo
é sempre maior que minhas pernas
Eu sei.
Só não sei qual passo estou dando
e nem pra onde.

12/11/07



Quarta-feira, Janeiro 16, 2008:


A Cada Pulsar, Um Tijolo

Cada batida do coração eu dedico a alguém
Eu dedico porque amo verdadeiramente
Sei que, comigo, o amor levarei até o além
Pulsando em um ritmo e vibrando em minha mente

É uma leve e doce melodia que dedico
Como música, letras e acordes, em sincronia
Supera a matéria e qualquer indício físico
Sublime e simples como a essência da alegria

De tempo indeterminado e fim inexistente
Este amor é um oceano de tão gigante
Mas que representa, também, água corrente
É fluxo de energia vinda de uma fonte vibrante

Cada batida do coração eu dedico a alguém
Eu dedico porque amo verdadeiramente
Mesmo que cada batida seja uma onda que vai e vem
Sinto amor por nascer, a cada segundo, uma nova semente

14/01/08



Sexta-feira, Dezembro 28, 2007:


Luz

Luz. É a palavra certa a definir tua magia
Um brilho que invade qualquer treva e a dissolve
És pequena como vaga-lume frente à imensa criação
Mas és estrela gigante neste mundo muitas vezes obscuro

És farol a seguir,
porto seguro.
Águas calmas.

Enquanto o mar revolto destrói em ondas turbulentas,
Tu és lago sublime em paz num fim de tarde fresco.
Um lago que reflete o sol, e dobra o iluminar da paisagem
Águas cristalinas e puras.

(10/11/07)



Quarta-feira, Novembro 21, 2007:


Certo Caminho Certo

Pé na estrada, rumo incerto
Sonhos me levam, me guiam, me acordam

Para uma terra
justa e tenaz
para uma esfera
leve e de paz

Força, carinho são os remédios,
farão do trabalho digno dos homens
um futuro, um espelho, um exemplo a trilhar (a seguir)
Os passos sólidos de hoje semearão

Tempo de luz
Uma era sem dor
Nas mãos das crianças
o mais puro amor

Nesta estrada, valente teremos
que ser, lutar com a razão e o coração

Para uma terra
justa e tenaz
para uma esfera
leve e de paz

Força, carinho são os remédio,
farão do trabalho digno dos homens
um futuro, um espelho, um exemplo a trilhar (a seguir)
Os passos sólidos de hoje semearão

Dias de luz
e manhãs mais serenas
Nos corações alegria e paz

(15/11/07 - Sérgio Cardoso & Erick Castanho)



Quinta-feira, Novembro 01, 2007:


A Caçada

Entre nos matagais escuros e densos
em uma busca que deixa os nervos tensos
Corre os riscos e os perigos intensos
e carregue consigo apenas proteção

Na selva carregar armas é um perigo
Por isso se deve reconhecer abrigo
E saber bem a hora de uma ação

Quando bem perto do fim da caçada
você estiver com a vida ameaçada,
frente à frente com a caça acuada,
rogue à Deus por força e coração

Pois pelas matas do interior de si,
onde a caça é o egoísmo de si,
a espada e o escudo são oração.

15/05/07